Tem vezes que chego a conclusão de que viver na nossa geração é bem mais difícil do que era antigamente. Essa história toda de geração Y, muitas opções, a gente ta sempre meio perdido sem saber o que escolher… É tudo verdade, mas não só profissionalmente falando. Tenho a impressão de que pra gente tudo é sempre muito difícil e rodeado de dúvidas, mesmo depois que a gente escolhe. Não sei se a cidade onde moramos também interfere, porque ser de cidade grande acaba deixando a gente um pouquinho mais louco. Quando comecei a ter que escolher coisas do tipo: que faculdade vou fazer, qual curso, com que quero trabalhar, etc., eu me deparei com tantas respostas ao mesmo tempo, que mesmo depois de formada me vejo na maior crise profissional da história. Mas enfim… Isso não tem nada a ver com o assunto do post.

O problema é que essas dúvidas também aparecem no amor. Quando você acha alguém que tem bem a ver com você, começa a construír algo e ta tudo indo lindamente bem, a vida começa a colocar algumas situações no nosso caminho que fazem a gente pensar: “E SE?”. Dá vontade de bater nesse pensamento, não dá? Porque a gente não deveria complicar tanto as coisas, mas acontece. Começamos a imaginar novas possibilidades, como tudo seria se a gente não estivesse vivendo aquilo… E é aí que as dúvidas sobre o relacionamento começam. Tudo que você amava fazer antes já não tem mais tanta graça. Você conhece gente nova, vê novas possibilidades, mas ao mesmo tempo se sente preso em algo que costumava te fazer bem. E ainda faz bem, na real, mas a gente enche nossa cabeça de caraminholas e já não tem mais tanta certeza de nada.

Como resolver um relacionamento quando as dúvidas aparecem? Será que vale a pena correr o risco de dar aquele tempo para depois ver que era aquilo mesmo que você queria? Mas daí a outra pessoa pode encontrar outros caminhos e vocês se perdem pra sempre. Por outro lado, vale a pena continuar uma relação quando existe a dúvida?

Tenho um pouco de medo de ser sempre encantada pelo novo. Mas uma das melhores coisas que já me aconteceu foi ficar alguns anos sozinha. Eu me conheci, vi como funcionava a vida de solteiro e anotei todos os prós e contras. Tudo era sempre novo, porém efêmero. E isso chega uma hora que cansa. Então hoje em dia eu tento, no meu relacionamento, viver essa coisa do novo mesmo estando com ele. Mas o medo da dúvida chegar ta sempre me rodeando. A gente não controla, simplesmente acontece. “E SE…?”

Ps. esse vídeo que coloquei no post foi a inspiração para escrever sobre o assunto. Ele traduz totalmente o que eu quero dizer e temo. Fora isso, ele foi gravado em Brick Lane, a minha rua preferida em Londres. Então foi bem bacana ver o vídeo reconhecendo os lugares e me sentindo muito mais próxima da história. Espero que gostem!

 
37
Compartilhe esse post:

37 comentários em “Relacionamentos modernos: amor X dúvida”

  1. “Tenho um pouco de medo de ser sempre encantada pelo novo”

    Wise words!


  2. Que vídeo fofo e triste ao mesmo tempo …
    Eu acho que é normal os relacionamentos no geral serem cheios de “E SE…?”, e já passei por um grande “e se?” no meu relacionamento anterior. Foi difícil, pois decidi seguir em frente, sem ele.
    Na verdade, foi BEM difícil, mas hoje, vejo que foi melhor. Tenho dúvidas, sempre, acho que pelo fato de ser libriana, mas no meu relacionamento atual aprendi a lidar bem com elas. Tento aproveitar muito o agora, e tem dado certo. :,)
    Pelo menos “se” não der certo vou saber que tentei e aproveitei enquanto durou. Não é fácil, mas a gente tenta, né?


  3. Re, faz terapia. Como ajuda! hahaha


  4. Eu fui vítima do ‘E se’. E do ‘caminho mais fácil’, até porque ele é sempre o mais atraente na hora de tomar uma decisão.

    Ai Rê, você sempre escreve coisas ótimas.

    Beijos


  5. De fato “e se” acontecem em todos os ramos da nossa vida, trazendo inúmeras dúvidas.

    O fator querer sempre o novo, é lindo. Mas há alguns ramos, como o amor, em que isso pode ser não tão lindo.
    Em minha humilde opinião, amor, é a maior força e energia de um ser humano. Se tens certeza de que é isso que sente em qualquer relacionamento, não desperdice. Tudo o que tiver que ser, será. Mas aí inclui-se muitas coisas. Como o tempo que você viverá. E nisso, com quem você viverá nesse tempo. Nesse pensamento, eu escolhi viver com quem amo de verdade, pois é a única certeza que levarei, até o tempo que viverei.

    Se alguém não tens certeza, é mais uma ótima fase para procurar se conhecer melhor de novo, não acha? :) boa sorte!


  6. É, Rê, esse vídeo também mexeu comigo de um jeito diferente, porque quando assisti ele, pensei: “caramba, essa sou eu!”

    É incrível como a gente consegue achar dúvida onde antes só tinha certeza mesmo que essa coisa não tenha mudado. O problema é que quem muda é a gente. E quanto mais escolhas a gente tem que fazer, mais dúvidas surgem e mais coisas estão prestes a mudar.

    Bom saber que não é só comigo que rolam essas incertezas com o relacionamento. Achei que eu tava pirando! Bem que nos diziam que um relacionamento não é feito só de amor…

    Beijos, Rê!


  7. chocochris,
    é triste constatar que só amor não é o bastante, né Chris? :/
    Ando pensando MUITO nisso ultimamente.


  8. Exatamente o que eu tenho passado ultimamente e não consegui colocar em palavras, imagens.. o que quer que fosse. O video, o post e os comentários me fizeram refletir um pouco sobre esse momento. Não sei se foi uma coisa boa ou ruim, mas estou disposta a descobrir. E viver o que quer que seja que me espere. Com, ou sem amor.


  9. Lendo seu post hj reparei em uma coisa bem curiosa :)

    Sabe Rê, apesar de não comentar, leio seu blog faz um tempinho já, o suficiente pra comparar seus posts de hj com algumas coisas q vc já escreveu.

    Lembro de um q falava das características de um “cara ideal” que ainda não existia, de outro sobre 2011 ser melhor q 2010 (e foi, né?), outro desabafando sobre as dificuldades de curar um coração partido… enfim, sobre outras fases da sua vida amorosa.

    E hoje, depois que tanta coisa legal aconteceu na sua vida, principalmente no aspecto afetivo, qdo tudo parece estar perfeito, vc vem e traz uma reflexão que só vem mostrar qto a gte é complexo! Alguém podia até virar e falar : mas não era isso q vc queria, vc não tá feliz, qual a dúvida? Por que “E se?”, se o que tá rolando é massa?

    Os questionamentos e as dúvidas nunca param, na real. Eu, por exemplo: To há um ano e meio com um cara fantástico, vivendo uma relação incrível, mas eu não consigo relaxar totalmente. As vezes me dá uma angústia… o “e se” q vc fala, por um lado, ou as coisas mudarem, o relacionamento acabar e eu sofrer, por outro. Enfim.

    O que eu acho é que essas angústias, os “e se’s'” não tem muita solução, mas vc tem duas vantagens: por um lado, vc reconhece isso, sabe que é incontrolável e que pode rolar questionamento, eventualmente. E isso é muito. Por outro, vc está com um cara com o qual pode compartilhar isso. A gte divide o amor e as dúvidas tb; amadurecimento é isso. Acho q isso faz toda diferença e é o que diferencia um relacionamento pleno de verdade :)

    Boa sorte aí, e se achar uma solução, socialize, ok?
    Besos!


  10. Nathy,
    boa sorte! ❤


  11. Má,
    acho que não tem solução mesmo, você foi bem clara no seu comentário. Aliás, fiquei mega feliz de você ter dito que me acompanha faz tempo, nunca tinha parado pra pensar que dá pra ver bem essas fases da minha vida apenas lendo meu blog! Tanta coisa aconteceu, tanta coisa mudou… Acaba sendo como um diário mesmo.

    Eu ainda não cheguei na fase do “E se?” no meu namoro… Não faz nem um ano que estamos juntos e acho que isso leva um tempinho ainda para acontecer. Mas sei bem como é isso por relacionamentos passados, o “E se?” era sempre o maior problema. Hoje consigo lidar melhor com isso, principalmente por causa da maturidade e de tudo que eu aprendi com meus erros. Mas sei que vou continuar errando muito e aprendendo sempre. E daí a gente segue com a complexidade que é nossa vida! Obrigada pelo comentário :)


  12. Pense menos, vai vivendo, deixe a vida te levar por enquanto. Não sofra por antecipação.
    bjs


  13. Eu tenho impressão, que.. não sei, talvez devêssemos nos desapegar desse futuro idílico que costumamos imaginar pra nós mesmos, nunca é o bastante.. nunca vai ser tão poético quanto é em um filme é.
    talvez apostar em uma relação sem aquela perspectiva massiva do “final feliz”, seja o novo caminho, a insegurança do “e se” perderia a importância, talvez as relações até durariam mais.
    e se tiver que arriscar, arrisque você não vai querer chegar aos 60 anos, se perguntando “e se” quando essa mesma pergunta te fez não fazer algo hoje.
    desculpem se falei besteira. -xx
    boa sorte pra todo mundo


  14. Denise Alencar

    21/03/2012 a 13:30:05

    Oi, Rê.
    Eu sei como é essa sensação…
    Vai por mim, esse ano eu vou fazer 5 anos de namoro e a gente já passou por muita coisa.
    O impressionante é que sou sempre eu que me pergunto os “e se”. E no ano passado tive um GIGANTE “e se”. A coisa quase foi pro ralo.
    Mas o que me mantém nesse caminho, nesse namoro, e que tem a ver com esse clipe é uma coisa que eu penso: Eu alguma vez me sinto sozinha, mesmo estando com ele? Já cheguei a me sentir, mas era só uma questão de conversar e a gente estava lado a lado de novo, se ligando no meio da tarde pra falar besteiras e tudo mais. Eu olho pra ele e sei que não estou sozinha. Pode-se dizer que eu sou uma “sobrevivente de E SE”, hahaha!
    Mas é foda, vem gente de todo lado perguntando quando a gente vai casar e etc. Mesmo estando firme com o Gui, eu não fico ansiosa pra dar esse passo com ele. É o “e se” à espreita? Talvez.
    Bom, desculpa confundir ainda mais!
    Bjos, e parabéns pelo post.


  15. Lendo seu post acabei me lembrando da história de um livro que terminei dias atrás chamado O Mundo Pós-Aniversário, que falava exatamente sobre isso: o “e se” que nos persegue (tem uma resenha bem legal aqui, oh: http://www.popdebotequim.com/2012/03/o-mundo-pos-aniversario-de-lionel.html )
    Mas acho que a grande graça de ser “adulto” é exatamente essa: não saber nada certo dessa nossa vida.

    Enfim, te leio tem séculos e nunca antes tinha comentado. Hoje fiz isso pela primeira vez.
    Acho bem engraçado isso de achar que se conhece uma pessoa que nunca se viu, já que lê o que ela permite compartilhar de sua vida com seus leitores.

    Bjo,
    Autor


  16. Autor,
    obrigada por comentar pela primeira vez! Li a resenha do livro e fiquei MUITO afim de ler, principalmente porque se passa em Londres. Vou procurar pra comprar no Estante virtual, vamos ver se acho. Obrigada pela dica, e espero que continue sempre por aqui. Beijão!


  17. Denise,
    deve ser um saco essa coisa de namorar por muito tempo e todo mundo ficar perguntando sobre casamento, né? Mas gostei de saber que você é uma sobrevivente do “E se?”, pelo menos até agora. Força ai! :*


  18. Rê (olha a intimidade),
    Que bom que curtiu a dica. Se decidir ler, tenho certeza que vai curtir a história. A Lionel Shriver é ótima.
    Eu tb adorei o fato da história se passar em Londres (uma cidade que conheço minimamente).

    E adorei o cuidado em responder ao comentário!

    Quanto a voltar, estou sempre por aqui, mesmo em silêncio.

    Bjos,
    Autor


  19. Autor,
    just for the record: comprei o livro ontem e estou ansiosamente esperando chegar! Valeu a dica, depois conto se gostei ou não :D


  20. Talvez este seja meu problema! Acho que eu amei tanto as pessoas… Que eu nunca soube colocar nada em dúvida! Sempre foi um amor incondicional! Mas nunca recebi. No máximo um “eu te amo, MAS…”. Agora estou tentando gostar da companhia de pessoas bacanas, que me façam bem, me levem pro cinema… Nada de amores desesperados. Até quando vou aguentar isso, não sei. Talvez eu vá sempre ficar procurando alguém que retribua essa minha forma de amar! Mas, por enquanto, eu estou cansada do “e se” das pessoas. Quem não gosta de ser cuidado? Mas parece que vivemos procurando sentir aquela coisa torta do amor. Será que não é possível viver com um gostar pacífico?


  21. Foi até engraçado esses dias… Ouvir alguém me chamar de insensível. Muitas pessoas tomariam isso como uma grosseria, mas para mim foi vida! Eu, insensível? Eu? Eu gostei! Gostei de não ser eu! Gostei de não me transmitir. Gostei dessa sensação de não poder ser machucada, pq eu não te amo. Gostei de pensar que eu sou a parte que pode ir embora, sem traumas. Cruel, não é? Eu sei. Mas quem pode me culpar? Eu não posso ser para sempre quem fica do outro lado da porta esperando que alguém volte. Insensível :)


  22. Rê! Boa Noite!

    Já tem um tempo que te acompanho… aliás bastante…pq eu trabalhava no STB e sempre via suas atualizações, enfim…cheguei ao seu blog aqui por meio do embaixador STB, é mto bom ver essas suas duas vertentes…acompanhando os dois me sinto um pouco mais próxima (se é que isso as vezes pode ser chamado de proximidade…hehehe)!

    Bom…nunca comentei aqui, até porque nos outros posts (apesar de gostar de todos) não tinha o que comentar…até pq quero escrever algo que acrescente a vc, assim como vários dos seus posts acrescentam em mim…

    Entendo que a dúvida role… Não adianta, sempre bate essa insegurança. Até parece que a razão me persegue justo quando deveria ficar trancada no banheiro….essas duas palavrinhas juntas matam qq um só de pensar…”E SE…” Que raiva!!!! Mas eu creio que essa dúvida seja pior do que o sabor de tentar e mesmo assim errar…te falo isso pois já estive ai…bem perto dessa dúvida e decidi deixar rolar, e acabou acontecendo uma coisa muitooo boa, tão boa que descobri o homem da minha vida…Acho que mais por termos nos conhecido em circuntâncias não tão favoráveis a um relacionamento sério…dúvidas se ia dar certo…do tipo: E se eu sofrer de novo? E se ele me largar? E se ele mentir? E se ele…BLÁ BLÁ BLÁ…Essa incerteza…esse não saber, me doia mto mais do que tentar…e eu resolvi tentar…resolvi dar uma chance para o novo… Não permitindo que o medo e a insegurança me impedissem de tentar de dar uma chance pra mim…pra ele…pra gente…. Sem arriscar nunca saberá o resultado, e acho que isso se aplica a qq pessoa…digo isso em todos os aspectos da vida…seja do lado profissional ou pessoal….

    Quando chegar essa hora, se joga Re…se joga pro mundo e se joga pra vc… pq no final das contas toda experiência é válida…mesmo que vc no final das contas escolha um caminho diverso…o que vc é não muda…as circunstâncias que mudam…e vc não pode deixar elas te definirem…elas são criadoras de dúvidas…e lendo aqui e conhecendo pelo menos um pouco de você, creio que vc entende quando eu digo, que vc é exatamente o que vc escolheu…se vc não estivesse ai não ia falar inglês, não ia ter seu namorado, não ia ter a sua vida independente de qq outra coisa…e mesmo vc tendo dúvidas deu certo….não é mesmo? E se não desse, bola pra frente…vc já sabe que ali não pode pisar do mesmo jeito…que o caminho pode ser outro…ou até mesmo que o caminho não existe…mas vc tentou…!! Você não deixou que as circunstâncias te abalassem…você se jogou! Não sei onde eu li uma vez, mas a insegurança destrói todos os caminhos, mas por mais que a sua te empurre num sentido “sem sentido” amarre-se no que te faz bem…e no que vc conquistou até agora sem pensar no “e se”!!!

    Shakespeare já dizia: “Não é digno de saborear o mel aquele que se afasta da colméia com medo das picadelas das abelhas.”

    O medo e a insegurança existem…cabe somente a vc deixar ele entrar ou não na sua vida…né? Tenho certeza que o mel é super recompensador!!!

    “Quantas coisas perdemos por medo de perder.”(Brida – Paulo Coelho)

    Desculpe o post giga! Massss o tema é bom…! E nada como uma boa troca de idéias e pensamentos!

    Beeijooooo enorme e mtoooo carinhooosooo!!!


  23. Rê, como sempre textos lindos…e acompanhado com um vídeo realmente inspirador.
    Acho que a fase “E se?” um saco, pq tenho sempre muitas dúvidas as vezes.
    E vou te contar, já que você também ta na fase que esta distante do namorado, quando namorei um cara que morava a 700kms de São Paulo(nem um pouco longe perto do seu caso) foi muito duro e as fases “e se?” eram muito mais frequentes. Acho que num relacionamento tudo é sempre um risco, sofrer, levantar, amar, curtir e ser amada.E com certeza um relacionamento é muito mais que amor, é parceria também. Hoje quando olho pro meu namorado por mais que seja numa discussão, se penso no “e se?” sempre acabo optando em me arriscar, pq sei que vai valer a pena, independente das consequências, faz parte de viver e prefiro olhar pra pessoa ao meu lado e saber que sobrevivemos as fases de um relacionamento e que isso muitas vezes nos uniu mais ou de alguma forma nos fez conhecer melhor um ao outro. Beijos (: to torcendo pra conseguir o visto.


  24. Sofia,
    que comentário lindo, meu deus. Obrigada de verdade! Sei como é sentir essa proximidade de pessoas que a gente lê, e eu acho que podemos sim chamar de proximidade porque apesar deu não saber quase nada sobre você, você já sabe tanta coisa sobre mim… Tudo que você escreveu fez muito sentido, e só me dá mais forças pra continuar o que estou fazendo com a certeza de que estou no caminho certo. Obrigada viu? Espero que continue me acompanhando por aqui… Um beijo enorme!

    Ps. seu nome é lindo! :)


  25. Renata (chará!) hehehe,
    já te admiro por ter essa coragem de enfrentar com unhas e dentes esse monstro que é o relacionamento a distância. E o principal: fazer dar certo, e ter certeza disso! (mesmo com todos os “E se’s…” da vida). Eu não conseguiria. Continuo com o meu pois sei que nos vamos nos ver em breve, então é só uma circunstância, não um fato no nosso namoro. Mas olha… É difícil viu? Estar longe aumenta em umas 3x o número de “E se’s…”. Tem que ter muita coragem e força de vontade! E claro, amor e tudo mais que envolve um relacionamento amoroso :)


  26. Obrigada!!!

    Concentre-se no que você quer sempre, ok? O resto vem com o tempo…ou não…o importante é ser você, tentar sempre e quem sabe conseguir…Mas sabendo que pelo menos vc tentou!! O “não” a gente tem para o resto da vida…é o “sim” que a gente almeja! ;)

    Continuo sempre aqui!

    Beijos!


  27. Caroline sporrer

    03/04/2012 a 01:26:06

    Adorei este vídeo. beijos


  28. Renata, vai dar tudo certo. E outra. Eu que sou ansiosa e quase nunca sigo meus próprios conselhos e nem minha própria razão – ou já teria me curado dessa bendita – digo a você: sofrer por antecipação é a coisa mais inútil e não-saudável que você pode fazer com você, com sue coração e com a sua vida. Muitas vezes eu sofri, sofri, sofri por medo de algo que ainda PODERIA estar por vir. Aí a coisa chegou e foi tão baixinha, pequeninha, que eu adoraria ter deixado meu coração em paz o tempo todo de antes do acontecimento.
    Então, pára Rê. Sério. Seríssimo.

    que você continue essa linda história (composta de altos e baixos pra ficar mais excitante, lógico.)

    :) sossega, menina.


  29. Eu li seu artigo e me identifiquei muito to com quase quatro anos de namoro amo meu namorado, mas a algum tempo agente vinha brigando muito porque ele nunca tinha tempo para mim trabalha em outra cidade e vinha durante fins de semana, mas tinha fim de semana que ele não vinha e começou a mentir coisas pra mim coisas pequenas que me incomodavam muito e nossas brigas aumentaram muito toda semana, ate que descobri uma conversa no msn dele com outra nao tinha conteudo forte, mas ele cantou ela, quase nos separamos, mas perdoei ele e as brigas nao acabaram ate que mudei de emprego comecei a ganhar bem e conheci um cara que me atraiu muito e entrei em conflito com meu namoro, mas escolhi meu namorado porque o amo isso aconteceu a uns dois meses atras, so que agora as coisas estão diferentes sem a mesma graça e olho para alguns homens e penso e se eu conhece-lo e ser mais feliz? Estou passando por um grande E se, mas não quero perder meu namorado, nunca trai ele e nem quero.


  30. Romana Burizo Zein

    22/08/2012 a 20:51:22

    Nada de novo….tudo se repete as nossas insatisfações….dúvidas e graças a Deus nosso crescimento….
    Tudo isso é passível da alma humana….que ama que odeia enfim ….que sente!

    É muito difícil…… o ” e se” ….fragiliza….emociona ….
    Mas a vida é impermanete…as coisas vão e vem……quando vão sofremos …quando vem ficamos alegres…….essa impermanencia!!!!!

    já passei por muitas e sempre esperando que o “e se” apareça para mim….assim como amanhece um céu azul lindo ….também vem um céu preto anunciando trovoadas…..mas os dias passam e sempre virá um outro e outro e outro……


  31. Olá, gostei muito deste post, de início procurei pela internet o significado da palavra infelicidade, não ouvi o que eu queria, escrevi a frase: estou 40% feliz pra ver se encontrava alguma coisa sobre o assunto que me ajudasse a esclarecer. Daí eu escrevi a palavra ”dúvida” e encontrei seu blog assim por acaso.
    Sim, uma dúvida aflige o meu coração e eu não quero desabafar com os meus amigos e nem com a família porque já não tenho coragem.
    Namorei 5 anos e tentamos morar juntos, construímos uma casa nos fundos d casa da mãe dele e desde o começo eu tinha muitos medos e era insegura em relação ao nosso relacionamento que já começou errado. A história é enorme afinal são 5 anos, enfim em novembro de 2012 terminei porque não aguentava mais, o amor que eu sentia era bom mas a vida que eu tinha não era, passamos por muita dificuldade financeira e eu o ajudei muito até deixei de pagar a faculdade e outras contas para não faltar comida em casa por que ele não dava conta e eu chegava na casa dele via o que faltava e ia comprar isso foi me irritando e me prejudicando muito eu sempre pensava em terminar porque tudo o que a gente fazia dava errado.
    Em junho deste ano voltei. voltei porque ainda sentia falta dele e sabia que ele me amava dei mais importância em ser amada do que amar e fui deixando as coisas acontecerem, mas as minhas expectativas continuam não sendo atingidas e todos os das me pergunto e Se eu sofrer tudo isso novamente? o que me fazia feliz já não me faz, não te mais aquela paixão.
    Quando vejo amigos e conhecidos se casando tão rapidamente em 1 ou 3 anos de namoro fico imaginando porque a gente em 6 anos não conseguimos planejar e executar nenhuma atitude.
    E agora não sei se quero mais, fico com ele todos os finais de semana mas critico tudo e nada me faz feliz, ele fala que me ama mas eu não consigo falar de coração e falo as vezes só por falar.
    O e Se? já se tornou outras dúvidas e sentimentos piores ainda. Não sei o que fazer :(


  32. Nao consegui ver o video :/


  33. Lineia, arrumei! ;)


  34. Identificação total com o texto e com a Denise que comentou em cima.. Achei a postagem sem querer na internet, justamente pra saber se só eu estava nessa vibe…

    Também namoro a 5 anos e é complicado… Acho que a própria dúvida nos maltrata, pois eu sempre tive aquela visão romantica de que quando a gente gosta mesmo, não tem duvidas…

    Será?

    Vou ler as outras postagens do blog! Parabens pelo site!


  35. Eu falo com um rapaz virtualmente ele e carinhoso com migo nao conheço ainda mais ele fala que vai mim espera concorda com tudo que falo quando falamos de relacionamentos ele fala sempre que e carinhoso e tal fala que e ciumento que gosta de fazer alguem que esta do seu lado feliz mais toda vez que eu peço para ele ligar pra mim ele nunca liga promete mais nao liga fala sempre que sou um anjo pra ele que eu sou diferente e tal sera que ele gosta de mim ou so como amigo e eu estpu mim iludindo a toa mim ajuda gente


  36. Oi não sei se ainda postam aqui hehe

    Bom eu estou sem chão, estava em um relacionamento que iria fazer 10 anos e terminamos faz 1 dia.
    Nós começamos a namorar novos eu tinha 18 e ela 15, no começo foi meio turbulento mas depois ficou maravilhoso. Ela sempre conviveu nosso relacionamento com a dúvida “e se?” Também se achava nova por estar tanto tempo em um relacionamento. Enfim todas as crises nos conversavamos muito e superavamos. Mas acontece que o “e se” parece ficar mais forte e desta vez não pude fazer nada. Falei pra ela que iria respeitar a decisão dela de querer ficar sozinha, mas estou morrendo por dentro.

    Desculpem o desabafo :(


  37. Oi Le,
    poxa, que complicado. Términos nunca são fáceis, mas também nunca devem ser o fim do mundo. É realmente muito complicado, mas o tempo acaba curando tudo. Sei que é cliché e não é exatamente o que você gostaria de ouvir agora, mas temos que tentar lidar da melhor maneira. Escrevi um texo há bastante tempo sobre como curar um coração partido. É antigo, mas talvez te ajude um pouco. Dê uma lida: http://rebiscoito.com.br/2010/01/05/5-etapas-para-curar-um-coracao-partido/

    Espero ter ajudado, boa sorte! Um beijo.



Deixe seu comentário