Bom, até agora estou há mais de 1 ano morando em Londres e, como muitos de vocês já sabem, vim pra cá porque dei uma pausa na minha vida profissional e pessoal, já que ambas não andavam me trazendo lá muitas alegrias. “Vou me perder pra me achar”, era o que eu sempre dizia. Mas afinal… O que eu realmente achei?

É engraçado como uma viagem dessas pode mudar as pessoas de tantos jeitos diferentes. Eu achei que fosse me encontrar aqui, ter certeza do que quero pra minha carreira, talvez saber mais sobre a vida e voltar pro Brasil super certa do que iria fazer. Tanta coisa maluca aconteceu, que agora estou me mudando pra Holanda e não faço a menor ideia de quando e SE volto pro Brasil (assim, pra valer). Quando eu menos esperava, conheci meu namorado e, como num passe de mágica, a gente se apaixonou. Sabe aquela relação que já começa sem erros e enganações? Totalmente sincera e do bem? Acho que a maioria dos meus relacionamentos que começaram assim, deram certo. O resto foi tudo ilusão, daquelas que a gente conhece o cara, acha que é a pessoa da nossa vida mas um mês depois já nem lembra que existe ou quer que o cara role escada abaixo. Bom… Vocês que acompanham meu blog há tempos sabem, melhor do que ninguém, sobre meus amores platônicos, pés na bunda e trapalhadas no amor, né?

Hoje em dia troco mensagens com os poucos amigos que me restaram, ou, melhor dizendo, os poucos amigos que eu quis que restassem. Uma das mudanças que essa viagem fez na minha vida foi: nem metade das pessoas que eu considerava amigos, eram realmente dignos da minha amizade. Minha lista de amigos reduziu para menos da metade, e eu sou muito mais feliz assim, obrigada. Menos gente pra me preocupar, menos gente pra dizer: “estou com saudades”, quando na verdade isso estaria saindo só da boca pra fora.

Ainda não faço a menor ideia do que quero pra minha carreira, mas fiquei feliz em perceber que sou capaz de me bancar. Londres é uma cidade MUITO cara pra morar, e eu consegui pagar tudo com a minha grana, ás vezes me ferrando com freelas mas ainda sim com muito orgulho e cabeça erguida. Claro que se eu precisasse de alguma ajuda, meus pais poderiam fazer um esforço. Mas o fato de que consegui por mérito próprio até agora, ah… Isso ninguém paga!

Uma coisa que descobri, e que acho que é bem comum quando as pessoas saem de casa, foi que: eu super me dou bem na cozinha! Nunca achei que tivesse o dom, mas a verdade é que eu só não cozinhava no Brasil porque tinha preguiça de lavar a louça, e sempre tinha alguém que o fizesse por mim. É… Assim fica muito fácil, né? Mas mesmo sem saber, fui começando de pouquinho em pouquinho, um arroz, um risotto, comecei a gostar de legumes, azeitonas, queijos, pratos mais elaborados… Até que consegui cozinhar quase uma ceia inteira de natal quando a minha família veio pra cá no final do ano. Essa pra mim foi a maior prova… Depois disso eu pensei: pronto, agora já posso ter uma família, pois tenho certeza que meus filhos não morrerão de fome e eu não vou fazer feio! hahaha

Eu, que nunca tinha saído da casa de mamãe, me vejo agora morando há um ano com um namorado EM UM QUARTO. Achei necessário o uso da caixa alta nessa situação, pois faz toda a diferença morar “num quarto” ao invés de “numa casa”. Bom, moramos numa casa, e dividimos a cozinha com outras pessoas. Mas o nosso lar mesmo, do nosso jeitinho e com o nosso cheirinho, é o nosso quarto. Nossa sala de tv é a nossa cama, e o nosso banheiro também faz parte do quarto. Tudo aqui dentro, sem a menor privacidade e vergonha na cara. Aprendemos a conviver do jeito mais unido possível, mas isso nem sempre é bonito. Quando brigamos, não temos uma sala pra ir espairecer ou um outro quarto pra esperar a poeira baixar. Temos a nossa cama e uma cadeira, que fica ao lado da cama. Então não tem como fugir do mau humor, não tem como passar aquele tempo sozinho… Acho que é até por isso que o volume de posts aqui no blog diminuiu MUITO. A gente ta sempre juntos e eu não consigo me concentrar em uma coisa só, porque ele ta sempre pedindo atenção ou vice e versa.

Enfim, a minha experiência aqui tem sido maravilhosa. Já me sinto em casa: tenho amigos me ligando pra sair toda hora, minhas baladas preferidas, um lugar onde o sol entra pela janela, onde eu me sinto segura e feliz… E um amor, que é um dos maiores motivos pelo qual eu ainda estou aqui. Mas ao mesmo tempo, isso que estou vivendo, não é a realidade. Ser uma estrangeira em um país onde não se tem direito nem de trabalhar, não é nada fácil. Nem se eu fosse rica, e pudesse ficar aqui pra sempre, acho que não aguentaria. Cansei dos freelas que fico fazendo de casa pra pagar minhas contas. Cansei de não ter uma rotina, de não ter que acordar cedo todos os dias para ir pro trabalho… Engraçado que esses dias coloquei isso no Twitter e todo mundo achou um absurdo, mas é a mais pura verdade. Eu sinto falta de trabalhar, sinto falta de ter colegas de trabalho, de ver a minha carreira crescer e de ter um objetivo maior para que eu possa sempre querer mais, mais e mais.A vida aqui ta legal, mas sinto que ainda preciso colocar os pés no chão, sabe?

Confesso que estou bem ansiosa para o meu novo recomeço. Em menos de 2 semanas, vou me mudar de país, aprender uma outra língua e finalmente poder começar uma vida nova e mais “normal”. Novos amigos, novos tipos de comida, novas paisagens e uma nova cultura. Já tenho meus objetivos quando chegar lá e provavelmente vou escrever bastante sobre isso aqui, então espero que vocês embarquem comigo nessa nova aventura!

 
33
Compartilhe esse post:

33 comentários em “Me perdi em Londres, mas o que eu realmente achei?”

  1. Ahhhh fiquei tão contente em ler esse novo post, já fazia um tempo mas entendo como é a correria de viver em um lugar onde nos sentimos meio que fora da realidade!!
    Me identifiquei tanto com a parte que você comentou sobre amigos, realmente é assim, o tempo, a distância, vão mostrando quem que realmente deve ficar.
    Desejo muita boa sorte pra você na sua nova jornada, estou torcendo muito para que tudo dê certo,

    :) boa viagem!


  2. Oi, Rê. :)
    Bom, primeiro quero dizer (mais uma vez) que sou sua fã. Te acho incrível e, desde que vc se mudou pra Londres, passei a acompanhar mais de pertinho sua vida.
    Seja pelo blog, pelo Twitter, pelo Facebook… Eu sempre estive de olho. Acho que mesmo não te conhecendo muito bem pessoalmente eu vejo que, muita vezes, você é bem parecida comigo ou eu seria parecida com vc? Não importa. O que importa é que lendo muitos dos seus posts eu:
    - paro e penso “MEU DEUS, ISSO É TÃO EU…”, para o bem e para o mal
    - vibro com suas felicidades e conquistas e fico tristinha quando as coisas não estão legais.
    Pode parecer meio freak mas eu realmente te admiro e te desejo o melhor.
    Se Londres foi tudo isso e te ensinou tanto aposto que a Holanda será igual, e se Deus quiser, melhor! Vou continuar acompanhando você, tá? Hahaha.
    Quem sabe, daqui uns anos, será a minha vez de embarcar em um avião e me jogar… Assim como você fez!
    Grande beijo!


  3. Estava com saudades dos posts aqui no blog!!!!
    Adorei!!!!
    Depois venha contar suas aventuras na Holanda!!!!
    bjs


  4. Isa,
    que fofo seu comentário! Eu mega entendo esse sentimento de “MEU DEUS, ISSO É TÃO EU!” porque passo por isso várias vezes. Tipo com aquele texto que vc postou no FB sobre os 20 anos (ou algo assim), me identifiquei super. Pena que a gente não se conheceu antes deu ter vindo pra cá. Digo… A gente se conhece pessoalmente, mas acho que seríamos boas amigas se tivéssemos tido (ta certo isso? hahaha) mais contato quando eu ainda estava ai. Enfim, obrigada por esse comentário tão querido <3


  5. Ren@t@,
    Quando se tem coragem e discernimento para encarar os desafios que a vida nos impõem, não dá para ser diferente… Continue firme nesta trilha, pois uma coisa é certa: Vc nunca vai estar sozinha!

    Um beijão!!!

    Cássio


  6. Espero que você escreva mesmo com mais frequência (adoro suas aventuras), hahaha. Boa sorte na Holanda!


  7. Renata primeiro te desejo muita sorte nessa nova caminhada que com certeza vai marcar muito a sua vida em todos os aspectos…e é verdade as vezes temos que nos perder pra acharmos o caminho certo, sem medos, sem grilos…em fim se jogar meeesmo…ano que vem vou fazer isso me jogar no mundo talvez USA ou UK, e tenho a certeza de que não vou me arrepender nenhum um pouco….Te desejo felicidades…sempre acompanho seu blog é maravilhoso…e vc nem imagina o quanto isso tem me dado coragem de buscar meus objetivos de ganhar a fora ….sem medo de ser feliz, obrigado por todas as dicas…
    Grande ambraço.



  8. Re, esse seu post me faz lembrar o pq eu comecei a viajar em 2009 e não parei mais. Cada vez que vc sai rumo ao desconhecido vc não tem um objetivo claro, mas com certeza vc vai se conhecer um pouquinho mais, e me encantei com esse auto descobrimento misterioso.
    Ainda não fiz uma viagem grande e foda, mas to me preparando pra isso, e com certeza vão ser que nem as peregrinações dos monges, que saem não para um destino especifico, mas sim para se auto descobrirem através de suas experiencias, e principalmente das outras pessoas que você encontra pelo caminho. Quem mais tem a oferecer a gente são as pessoas, não só os amigos, mas também as que a gente não gosta, e até aquele cara que vai te cantar no bar e vc nunca mais vai ver na vida, tudo tem um propósito.
    A 1 mês atrás uma amiga minha foi se aventurar na Irlanda, ai do seu lado. Ela estava perdida e querendo descobrir a vida e se descobrir, como vc quando saiu daqui. Falei mais ou menos isso que escrevi pra vc, agora to tendo um exemplo real do que disse para ela e fico muito feliz por vc, :) .


  9. Muito bom ! Eu gosto muito deste tema, da busca pelo verbo Ser (e pelo substantivo homonimo) e da distincao entre as varias camadas que as pessoas sao ou possuem. Algumas pessoas falam em crescimento espiritual e outras falam em auto-conhecimento, mas eh a mesma coisa e lendo este seu post, eu pude ver que voce tambem presta atencao neste assunto. Voce eh demais Rebiscoito !


  10. Natália Puga

    05/09/2012 a 01:38:55

    Oi, Re!
    Apesar de não comentar muito to sempre lendo seus posts e suas novidades pelo twitter. É meio que meu modo de matar a saudade que sinto de Londres. Na verdade, acompanhava o blog antes de ir para londres, durante minha estadia (fiquei 2 meses) e agora, na volta. Deve estar sendo bem difícil deixar Londres, mesmo que seja para ir p Holanda, não é? Aliás, como tá sendo a mudança pra lá? Eles tem permissão para Brasileiros? (não lembro se vc tinha cidadania européia!)

    Não vejo a hora de voltar para ldn, a primeira coisa que fiz quando cheguei aqui no Brasil foi recomeçar meu “cofrinho” hahaha! Ainda vai demorar bastante até eu ter o suficiente p ficar 1 ano, que é meu objetivo, principalmente por ter de pagar um curso, mas sei que com o tempo consigo. E ano que vem começo a faculdade, e lá sempre rolam intercâmbios mais em conta, sem falar do Ciência Sem Fronteiras, que tem vários links com universidades britânicas!
    Enfim, desejo mto boa sorte, continue compartilhando suas descobertas e aventuras por aqui, heim?
    Beijos,
    nat


  11. Rê! Comecei a te acompanhar pelo blog da STB, quando pesquisava para morar em Londres. Muita coisa aconteceu e meus planos mudaram, mas não deixei de ler suas aventuras. E, olha, fico muito feliz por você! Fiquei realmente emocionada com esse texto, principalmente porque talvez eu vá passar por uma situação semelhante muito em breve e se algo aqui dentro já me dizia “se rolar, vá!!!!”, agora se tornou “se rolar, vá mesmo, porra!”. hahaha
    Que sua jornada na Holanda seja ainda mais especial!
    Super beijo!


  12. Opa… Estou adorando essas histórias, e estou muito afim de continuar sabendo dessa aventura…


  13. Fernando Arrais

    05/09/2012 a 02:29:13

    A verdade é que você muitas vezes nem soube para onde ir e com quem ir ou quem gostaria de encontrar. Agora você está de mãos dadas em alguém com quem pode se encontrar, seja onde for.
    Continue perdida, mas feliz assim. Talvez não seja para você se encontrar, pois quem segue caminhos sempre chega a um final…e você, no fundo, sempre está começando ou recomeçando algo…dentro de si ou não…

    Sorte nunca lhe faltou Re…e em otimismo, você parece que evoluiu muito :-)

    Saudades (sinceras). Um beijo.


  14. Cristiane Alves

    05/09/2012 a 14:33:45

    Oi Rê!Entrei aqui pra te mandar um email sobre um texto que fiz para um blog que estou pensando em fazer (por pura influência sua!) e me deparo com um post novo!Que alegria!
    Nunca comentei, mesmo pq te conheci a apenas um mês, mas me identifico demais com vc, e percebi que sou normal, ou que assim como eu, existem pessoas com as mesmas dúvidas, curiosidades e dificuldades no dia a dia, isso me deixou tão feliz!De qualquer forma, te acompanho sempre no face (não tenho twitter)e fico torcendo pra que sua nova aventura te encha de alegria e de mais “causos” pra nos contar!!!

    ps: posso te mandar meu texto pra vc opinar?


  15. Cristiane Alves,
    claro que pode! Quer me mandar aqui ou…? Pode me mandar nesse email: falecom@rebiscoito.com.br ;D


  16. Rêêê!
    Não queria repetir o tweet, mas que post incrível! <3
    Fiquei tão tão tão feliz. E ó, confesso: quando você veio pra cá e eu tava arrumando as trouxinhas pra vir também, pensava muito em como seria tudo isso e torcendinho pra que tanto a minha viagem quanto a sua fossem sensacionais. :) apesar de ter tido uma experiência diferente, acho, por estar em outra cidade e trilili, numa coisa eu posso concordar: a aventura vale muito a pena. Acho que não tem nada que pague.
    No Brasil, tinham me dito que *me conhecer* não devia ser o único motivo pra me fazer pegar o avião. Hoje, eu concordo. Mas só concordo porque, nessa loucurinha de tentar tudo novo, a gente conhece muito mais do que nós mesmos. A gente vê o mundo, vê as pessoas, brinca com novos idiomas. É uma vida tão diferente! (: Li em algum lugar que a melhor parte de viajar é voltar pra casa e ter um "fresh look" em relação ao mundo que a gente vive e o que a gente acredita.
    Ai, tô viajando (turum tuntz!) já. :P
    Que as suas novas aventuras sejam incríveis e apaixonantes! <3 é só o começo, beibs!
    =***


  17. Boa Sorte Rê!

    Me identifiquei tanto com a parte em que você diz “sinto falta de uma rotina, colegas de trabalho…”. Para mim faz todo sentido! É ótimo esta “aventura”, conhecer um outro país no modo “wild horse”, sem apegos e sem certeza de nada, mas criar vínculos também é ótimo, mesmo os mais superficiais. A holanda é uma pais muito bom e pelo que meu amigo (virtual) holandês me mostrou do país você se dará muito bem, porque ele é ótimo! E eu espero isso mesmo: que boas coisas lhe aconteçam!


  18. Cláu,
    eu adoro saber como outras pessoas foram mudadas por viagens como a nossa. Legal saber o seu lado! Agora, você falou algo que me fez pensar… “Voltar pra casa e ter um ‘fresh look’ em relação ao mundo…” – não tenho a menor vontade de voltar pro Brasil ainda, mas fico curiosa pra saber como seria minha vida se eu voltasse. Será que mudaria muito por causa desse fresh look? Ou, com o tempo, eu voltaria a ser como era antes? Não 100%, claro, mas sabe… O estilo de vida e tal? Enfim… É estranho pensar nisso.

    Você bem que podia me escrever contando sobre a sua volta para o Brasil, né? :)


  19. Cristiane Alves

    06/09/2012 a 13:25:07

    Rê!Acabei de enviar por email!Espero sua resposta!

    Super beijo!


  20. é estranho mesmo. é meio surreal. eu gosto! (:
    e pode aguardar um email meu a partir do dia 4 de outubro! :D


  21. Li seu post e fico imaginando tudo o que me espera rs
    To chegando em Londres agora pra morar, sem data pra voltar, e ainda to tentando me encontrar por aqui, é uma cidade tão cheia de oportunidades e coisas diferentes do Brasil que a pessoa até fica perdida sem saber por onde começar hehe.
    Boa sorte na sua nova jornada!


  22. Oi Renata, parabéns pelas conquistas! Sempre dou uma passada pelo seu blog e fico contente em ver que as coisas estão evoluindo de forma tão boa para você! Morar fora deve ser barra, ainda mais mudar de pais/cultura/idioma duas vezes… Torço para que tudo dê certo e que a Holanda te faça feliz!
    Abraço :)


  23. Ei Re, nossa…super vou no restaurante brasileiro, vai entrar na minha listinha dos “tem que ir” rs…Eu sou meio que a doida dos restaurantes, e adoro conhecer vários…o que era difícil no Brasil.
    O granulado realmente tem um gosto diferente! Notei isso tbm.
    Você já tem algum noção do holandês? Deve ser mais difícil que alemão hehe.

    Beijos!


  24. Luisa,
    não tenho a menor noção de holandês, hahahaha tô curiosa pra saber quanto tempo vou precisar pra aprender :)
    Depois me conta o que achou do restaurante/buteco! hahaha leve mais em consideração a comida ;)

    Beijoca


  25. Sempre venho aqui e não vejo um post novo e, hoje, vim e tem esse. Fico feliz as coisas estejam indo bem contigo. Já acompanho o blog a um tempo e tenho um certo carinho por ele.


  26. Oi Rê :D
    Não consegui vir no blog antes, mas tô lendo aqui agora e imaginando o quanto somos dependente da rotina.. Eu tb to morando sozinha agora aqui em Sp, e tô me virando do jeito que sei. Fico morrendo de preguiça de chegar em casa e cozinhar só pra mim, mas não posso passar fome né?
    Que legal que você vai pra Holanda, o boyfriend vai junto né? Vê se posta mais aqui, sinto falta de ler suas histórinhas *-*
    Beijão Linda!


  27. Renata, fazia tempos que não lia um blog tão interessante! Parabéns!! Seus post são tão cativantes que fui até o final (começo) das suas postagens!! Estou indo morar em Londres por 1 ano este mês e estou super ansiosa e nervosa! Mas vi que a vida continua de uma forma ou de outra e que mesmo que seja muito diferente daquela que estamos acostumadas, pode nos trazer momentos muito gratificantes! Boa sorte nessa nova fase!!! Bjinhos Suzana!


  28. Rê, preciso mandar um email pra você, ainda funciona o email falecom@rebiscoito.com.br? :) Obrigado!


  29. Amanda,
    funciona sim! ;)
    Mas as vezes demoro um pouco pra responder, ainda mais agora que tô me mudando. Se precisar de urgência me manda um tweet ;)


  30. QUE TUDOOOOOOOOOOOOOO


  31. Oi Re!
    boa sorte na nova fase, na nova língua, nos novos costumes! Espero que você nunca pare de se encontrar! :)
    beijos


  32. Oi! Bem, do jeito que você conta morar em Londres parece ser uma grande aventura. Eu recém saí do ensino médio pra faculdade haha então não posso falar muito, mas eu sempre tive na mente que se pode ser extremamente feliz morando em país legal, em um único quarto com a pessoa que se ama. Talvez eu seja muito sonhadora, ou não. Bem, mesmo que você não tenha se encontrado no âmbito profissional, por exemplo, com certeza você encontrou experiências maravilhosas e pessoas muito legais também, e só por isso, já valeu morar aí. Aposto que na Holanda você vai vivenciar tantas coisas interessantes e enriquecedoras quanto vivenciou em Londres, boa sorte!

    Beijos, Vickawaii
    http://finding-neverland.zip.net



Deixe seu comentário