Eu já estava um pouco de saco cheio de usar o Tinder em Londres. Váááários caras gatos mas nenhum papo interessante – isso quando eles me respondiam, né? Lembro que ficava tirando print da tela só para guardar aqueles rostinhos bonitos, mas como ia embora em menos de uma semana, tentar insistir em encontros não me parecia tão tentador. Lembro que só dei like seu perfil dele porque, além de bonitinho, você parecia ser diferente. Aquela foto sua todo quebrado na cadeira de rodas parecia meio debochada, então achei que talvez pudesse ser um cara interessante. Mesmo assim, não esperava nada. Ainda bem que você pediu para irmos pro Whatsapp e insistiu para que nos encontrássemos. Se não fosse isso, eu não teria tentado nada. E, bom… Já que era meu primeiro dia sozinha na viagem e eu realmente não tinha nada melhor pra fazer, sair com um cara local pra uma cerveja me pareceu a melhor opção. Nunca fui fã de curtir a noite sozinha e em Londres os caras só pensam em beber. Olhar/falar/interagir com mulheres é a última coisa que se passa na cabeça deles, rs.

Enquanto te esperava no bar, começou a bater aquele pânico que sempre tenho – e odeio – antes dos primeiros encontros. Um frio na barriga péssimo, que me fazia querer acabar logo com aquele começo da noite e pular para a parte onde já estivéssemos íntimos um do outro. Não sabia se você era legal, se a gente gostava das mesmas coisas… Se você teria o humor inglês que é tão diferente do humor do meu país. Será que meu inglês está enferrujado? Será que ele vai gostar de mim? Será que ele é alto? Baixo? Chato? Daí você chegou. Eu tinha achado uma exposição de arte hipster bem em frente ao meu hostel, e te convidei pra ir comigo dar uma olhada. Hummm… Pelo jeito você não era muito ligado em arte, né? Ok, vamos sair daqui e tomar logo uma cerveja.

Minha primeira impressão foi que você era um cara muito engraçado. Mas muito engraçado mesmo. Até demais. Achei que a noite seria meio chata porque você fazia muitas piadas e uma hora ou outra eu ia ficar entediada. Também achei engraçado o fato de você ter aqueles dentinhos tortos que muitos ingleses tem. Era um pacote completo: inglesinho, loiro – ou meio ruivo, como você gosta de dizer que é – e dentinhos zuados. Conversa vai conversa vem, comecei a te achar legal. O fato de você ser engraçadão parou de me incomodar e eu comecei a rir genuinamente das suas piadas. Você me ganhou quando começamos a falar sobre o quão chato era sair para primeiros encontros. Os papinhos, o doce que normalmente as meninas fazem… Lembro de você me contando que elas te perguntavam coisas sem noção, ficavam com vergonha de falar sobre certos assuntos e nada parecia natural. Ouso dizer que, apesar do mal estar sempre presente em primeiros encontros, com a gente foi natural desde o começo, né? Eu tenho esse medinho antes de encontrar o cara mas ele termina no exato momento em que o encontro. Acho isso incrível!

Daí fomos pra balada, você tentou me beijar… E eu com essa mania de querer que todos os primeiros beijos sejam perfeitos, recusei, porque aquela não era a hora de dar o primeiro beijo (ainda). Acho que você não entendeu nada, né? Mas a espera valeu a pena. Foi tudo tão gostoso. E eu nunca vou esquecer da gente saindo daquele pub com você enfiando dois pints enormes na cueca por minha causa! hahaha.

[continua aqui...]

 
7
Compartilhe esse post:

7 comentários em “Londres, 4/09/2014: o dia em que a gente se conheceu <3”

  1. Chocada que o ingles tentou beijar no primeiro encontro hahahahahahahahh


  2. Ana Clara,

    hahahahaha verdade, né? Mas como eu disse, foi tudo bem natural desde o começo. Ele não é um cara comum, aliás, não é esse típico inglês que a gente conhece. Ele é super sociável, comunicativo… Bem parecido comigo. Acho que por isso nos demos tão bem!


  3. Sei bem, tô vivendo uma situação um pouco assim! E é inglesinho quaaase pacote completo também, só o cabelo que é castanho claro. Passamos a conversar bastante num grupo sobre uma trilogia de filmes que nós gostamos, e aí depois ele me adicionou e agora virou mesmo LDR. Nos mandamos vídeos sempre, ele é super comunicativo, e ficamos horas conversando sobre tudo, seja por Skype ou FB Messenger. Verdade que as vezes é complicado entender o humor inglês, mas ele é muito bacana e já estamos planejando pra visitar ano que vem! Muito bom ver uma história parecida, e fiquei interessada em ler o resto. :)


  4. Quero ler logo o resto :)


  5. tô desacreditada do tinder já =/
    mas quero ler logo a continuação!!!! =))


  6. Aline,

    sabe que eu também desanimei SUPER do Tinder? Já não usava muito antes de ir viajar, daí achei que faria a festa na Europa mas no fim nem foi tudo isso. Bom… Como falei no post, tinham vários caras muito lindos, mas nenhum conversava direito ou, se conversava, marcar de sair era a última coisa que se passava na cabeça deles. Agora que voltei pro Brasil não usei mais e nem tenho vontade. Bom, agora sou uma moça comprometida também, rs.

    Sei lá, ficou chato né?

    Mas tenho muito o que agradecer ao Tinder, meus dois últimos namoros saíram dele. Dos poucos que conheci lá, a maioria valeu muito a pena. Menos esse: http://rebiscoito.com.br/2014/04/18/o-dia-que-um-cara-saiu-andando-e-me-deixou-sozinha-no-bar/


  7. [...] com Z mesmo. O selo era dos Estados Unidos, então logo pensei: não pode ser do Sam. Primeiro porque ele fala Brasil com S (eu que ensinei!), e segundo porque o selo não era do Reino [...]



Deixe seu comentário