Hoje o Sam me mandou um link que eu amei tanto que fiquei com vontade de compartilhar com o mundo!

Tem uma banda que eu adoro, chamada We Are The Willows, e eles vão lançar um novo álbum agora em novembro, chamado “Picture (Portrait)”. A característica mais forte da música deles é a voz do vocalista Peter Miller, que quando eu ouvi pela primeira vez podia jurar que era a voz de uma mulher. É super delicada e suave, e as músicas são tristes do jeitinho que eu gosto. Essa é uma das músicas mais famosas deles e foi também a primeira que eu ouvi, olha só os berros que ele dá mais pro final da música, parece até um pouco voz de criança!

Bom, a parte linda do novo álbum que eles estão lançando, é que as músicas foram inspiradas por cartas de amor trocadas pelos avós do Peter Miller, enquanto o avô dele lutava na Segunda Guerra Mundial. O Peter Miller morou alguns anos com seus avós enquanto fazia faculdade, e eles sempre falavam pra ele dessas cartas. Daí ele se formou na faculdade e sabe o que os avós deram de presente? Todas as cartas trocadas por eles naquela época, que na verdade nem eram todas porque o avô dele teve que se desfazer de muitas quando a guerra acabou e ele voltou pros Estados Unidos. Eu sou suspeita pra falar, mas não é o presente mais incrível do mundo? Deu até vontade de perguntar pra minha vó se ela guarda cartas de amor da época que ela conheceu meu avô! :’)

No link que o Sam me mandou tem uma entrevista completa com o Peter Miller em inglês, falando um pouco sobre a história e seu processo criativo para escrever/fazer as músicas, mas aqui eu traduzi a parte que mais gostei:

Você acha que o romance está realmente morto?

Peter Miller: A relação dos meus avós me fez pensar muito sobre como o romance está ligado à proximidade, escassez e acesso à informação. As condições em que meu avô escrevia as cartas para a minha avó com certeza não eram ideais para um namoro. Suas cartas eram muito censuradas e muitas vezes ele nem sabia se minha avó iria recebê-las. Se ela as recebesse, ele só teria sua carta-resposta vários meses depois. Dá pra imaginar ficar sem saber se os sentimentos da pessoa são recíprocos ou não enquanto você espera a resposta?  Quanto sentimento deve estar envolvido nisso!

E o amor na era moderna?

Peter Miller: Hoje podemos saber muito sobre uma pessoa sem nem antes falar com ela! Podemos stalkear a pessoa online e descobrir se ela gosta do mesmo tipo de música que a gente, se ela estudou fora, fez trabalho voluntário, se tem uma irmã etc. E quando falamos com elas, já sabemos que a resposta será quase que imediata (ou percebemos que ela não está muito interessada caso demore muito para responder). Além do mais, temos uma gama muito maior de opções. Não temos apenas 4 ou 5 potenciais parceiros, temos milhares! Outro fator é que hoje temos muito menos pressão social e biológica para escolhermos alguém.

Então, se compararmos os parâmetros de hoje em dia com os da época dos nossos avós, acredito que a gente conheça mais as pessoas do que eles conheciam naquela época. Temos chances de encontrar alguém compatível com a gente. Sendo assim, se escolhemos alguém para nos relacionar, quer dizer que já conhecemos a pessoa o bastante para querer nos relacionar com ela e amá-la, de fato. Nossa escolha é muito mais exata, portanto, um pouco mais verdadeira.

A parte linda, confusa e incrível da época dos nossos avós é que eles escolhiam seus parceiros de forma muito diferente. Eles não tinham o mesmo acesso à informação, então, se apaixonar por alguém era muito mais uma questão de escolha. 

——————————————–
Esse papo todo de amor na era moderna me lembrou muito esse texto aqui, que escrevi quando assisti o filme “Her”: Como explicar o amor nos tempos modernos?. E ah! Esse é o clipe de uma das músicas desse novo álbum deles, já inspirada nas cartas: Dear Ms. Branstner

 
0
Compartilhe esse post:

Deixe seu comentário