Se você me perguntar qual é meu gênero preferido para filmes, direi drama sem pestanejar. Adoro histórias tristes e de relacionamentos que se aproximam da nossa realidade e fazem a gente refletir sobre a vida. Nunca fui muito fã de ficção científica, mas recentemente descobri uma série sueca chamada Äkta Människor, que em inglês foi traduzido para Real Humans, ou seja, Humanos Reais. Ela mostra uma sociedade moderna como a nossa, só que com a existência de robôs que imitam a aparência dos humanos. Eles parecem gente como a gente, mas são vendidos em lojas de robôs como empegados, trabalhadores ou até cuidadores de idosos. Daí a série mostra o desenrolar de ter robôs em nossas vidas, como pessoas que se apaixonam pelos robôs ou tratam eles como humanos, ou pessoas que são totalmente antitecnologia e querem que todos os robôs sumam da terra, já que eles roubam o emprego dos humanos e podem ser perigosos. Apesar de ser uma situação irreal nos tempos de hoje (por enquanto! rs), a série mostra muito essa coisa humana de pessoas e como elas se relacionam, e é isso que eu curto na série, independente de existirem robôs ou não. Mesma linha da série Black Mirror, que acho que é minha série preferida de todos os tempos e vocês devem conhecer, já que está no Netflix.

Nessa onda toda de assistir uma série sobre robôs, descobri também um curta metragem escrito e dirigido por ninguém mais ninguém menos que Spike Jonze, que é o cara que fez Her, um dos meus filmes preferidos sobre o qual já falei aqui no blog. Ele mostra um romance entre robôs que, ao assistir, podemos traçar totalmente um paralelo com relacionamentos na vida real. Sabe quando você ama tanto uma pessoa que acaba abdicando várias coisas da sua vida por ela? Daí no final, a pessoa termina com você e você percebe que não restou nada de quem você era antes de conhecer esse amor. Bom, o curta não é tão trágico porque podemos imaginar um “final feliz”, mas eu, do jeito que sou, já imagino o pior: que depois que o curta acabou, a robozinha descobre que não ama o robozinho de verdade e acaba terminando com ele por causa de outro, rs :(

Assistam:

E aí, curtiram? Agora quero saber o que vocês sentiram ao assistir, e como interpretaram o final do curta! Foi trágico? Você lembrou de alguma situação da sua vida real, onde “deu tudo” por uma pessoa e depois acabou ficando sem ela? Ou… Esse dar tudo valeu a pena e hoje vocês estão vivendo um final feliz? <3

E ah! E não poderia deixar de compartilhar o link para baixar o torrent de Real Humans, já que a série é muito boa, mas infelizmente não tem no Netflix. Para assistir você precisa saber inglês, pois não achei legendas e português e sueco nem pensar, né? hahaha

Download 1ª temporada de Real Humans

Download 2ª temporada de Real Humans

Legendas em inglês para 1ª e 2ª temporada de Real Humans

Curiosidade: pesquisando no Google descobri que Spike Jonze já foi casado com a linda e talentosíssima Sofia Coppola. Casais como esse deviam ter muitos filhos pra perpetuar esses genes, minha gente!

 
17
Compartilhe esse post:

17 comentários em ““I’m here” – uma história de amor entre robôs”

  1. Curti demais! Renata, sou seu fã e te acompanho no snap!


  2. Mandi Raimondi

    01/03/2016 a 03:52:38

    Super te acompanho no snap.. Adoooorooooo!
    E ainda temos um amigo em comum, o Birô!
    Acho Q ainda vamos nos encontrar pelas nights aí! Ahahah :)

    Amei o post, o curta e os robozinhos ❤️


  3. Rêeeeee te acompanho no Snap e super indico todos os dias você para meus amigos, Catanduva-SP ligados na Rebiscoito <3


  4. Rêeee me segue no Snap ? NetoSoubhia :D


  5. I’m Sheldon :/


  6. Mandi, sério! Graaande Biro <3 hahaha
    Provavelmente vamos nos encontrar uma hora ou outra sim!! :)


  7. Netoooo, obrigada! Que máximo! hahaha


  8. Video excelente!!
    Te sigo no snap, acho vc genial!! Tem muuuito futuro!!
    Parabéns e continue alegrando nossos dias! ahahaha!
    Beeijão!


  9. vanessa lutz

    01/03/2016 a 18:40:24

    oi Rebiscoito,passando aqui pra dizer que amo os seus snaps,e não sabia do seu blog.Mais é ótimo parabéns.


  10. Amei , ele meio que se matou ,porem estava vivo por esta com ela <3 ameeei . a propósito amo seus snap beijos


  11. Oie Renata,
    Moro no ES e te sigo no snap (graças a uma indicação de um site sobre snaps divertidos! rs). Primeiro eu queria falar que amei o nome do robô ser Sheldon (amo The Big Bang Theory e achei uma semelhança incrível entre esses dois Sheldons… rs), o ponto mais cativante do curta foi demonstrar as relações humanas sendo expressas por robôs, ou seja, hoje em dia estamos tão frios e pouco empáticos uns com os outros que estamos parecendo robotizados (Dá pra entender?). Bem, foi isso que mais me chamou atenção além da história ser super fofa. Obrigado pela indicação, beijos! :*


  12. Apesar da história ter toda essa vibe “amorzinho”, fiquei muito triste por ele.Me pergunto por quanto tempo vale a pena abdicar do que você é por uma pessoa, já que nada é pra sempre.


  13. vi no seu snap e não pude deixar de assistir! Muito lindo <3


  14. Hilário Souza

    03/03/2016 a 03:12:59

    Que achado!!! Quanta delicadeza e sensibilidade… Obg pela dica. Tbm já fui mto Sheldon nessa vida…


  15. É como vc disse, a gente identifica com a história e digo mais, eu também sou o Sheldon… Parabéns pelo ótimo gosto


  16. Verônica,
    super entendi e nem tinha pensado por esse lado. Talvez você esteja certa… Eu não me incluo nessa, eu acho, hahaha, mas conheço muita gente que pode ser comparada à robôs :(


  17. Letícia,
    é, eu também achei bem triste. Vai saber se ela vai querer continuar com ele, né? Ou, se for muito boazinha, vai ficar com ele pro resto da vida por dó ou culpa. Acho que não sou muito romântica, rs.



Deixe seu comentário