É engraçado o que podemos achar se andarmos atentos ao chão. Eu sempre ando nas calçadas de olho em qualquer papelzinho miúdo que possa conter informações escritas por outra pessoa. Adoro bilhetes! Adoro pessoas e as histórias que elas vivem.

Dessa vez o achado não foi um bilhete, e sim, algo talvez tanto quanto ou mais interessante que um bilhete: uma foto 3×4. Quando achei, ela estava virada de cabeça para baixo e eu dei um chutinho para tentar virá-la sem ter que pegar com a mão. Nisso, ela deu uma raspadinha no chão e riscou toda. Se não fosse o chutinho teria a foto novinha em mãos.

Como sempre analiso os bilhetes que encontro, resolvi analisar essa foto também. O cara da foto, para ser mais exata. Encontrei ela na Av. 9 de Julho numa segunda feira de manhã.

Será que é possível analisar a vida desse cara apenas olhando para sua foto 3×4? Vou me atrever a tentar. E se você reconhecer ele de algum lugar, me conte quem é! Imagina ele chegar até meu blog, ver a análise e virarmos amigos? Bom, espero que um dia ele veja isso.

Segue a lista de impressões que tive dele:

Continue lendo…

 
76
Compartilhe esse post:

Todo mundo já teve um amor breve de metrô. Daqueles que a gente encontra no vagão, se apaixona brevemente, e logo se separa para nunca mais se ver. Eu mesma tenho vários, cada viagem de metrô é um amor diferente. Inclusive já escrevi um texto aqui no blog sobre isso, contando a história de uma viagem de metrô como se ela fosse uma vida inteira.

Há mais ou menos 2 dias atrás, estava de metrô voltando de um evento de Social Media e percebi que tinha um carinha me olhando. Ele era estilozinho, usava um casaco de couro, tinha os cabelos bagunçados e a barba por fazer. Uma graça. Mas eu estava um caco… Super cansada, acompanhada de várias pessoas que eu tinha conhecido no evento então tentei disfarçar. Não olhei muito pra ele mas o garoto era insistente. Olhava sem parar. E eu, só olhava quando ele não estava olhando.

Uma hora nossos olhares se cruzaram através do vidro do metrô. Ele olhava pra mim pelo reflexo e eu comecei a olhar também. Demos um sorriso, e assim ficou claro que os dois se gostaram.

Descemos na mesma estação. Ele pegou as escadas rolantes e eu fui pro outro lado. Era ali o momento em que a gente se separava para nunca mais se ver. Nos últimos olhares resolvi dar um sorriso e fazer um gesto com as mãos, como quem diz: “Então… é isso. Adeus.”

Confesso que tive uma esperancinha que ele me encontrasse do outro lado ou descesse a escada rolante de novo pra ir atrás de mim, mas ok, os caras nunca fazem isso e sonhar é bom.

Cheguei em casa, compartilhei com vocês no Twitter como sempre faço e fui dormir, exausta.

Continue lendo…

 
38
Compartilhe esse post:

Ps. Demorei muito pra decidir se colocava ou não esse post no ar. Ele tem mais a ver com a Renata do que com a Rebiscoito, mas achei que seria válido compartilhar essa experiência com vocês. Espero que gostem! Para entender a história desde o começo, leia esse post antes: Amor Virtual

Sempre tive alguns ‘bloqueios’ na minha cabeça, relacionados a princípios, que me faziam deixar de viver certas situações. Sou muito aberta pra falar de sexo mas ao mesmo tempo nunca fui de sair tendo experiências sexuais aleatórias. Gosto de falar, pesquisar, saber de coisas novas…Mas tudo que sentia vontade de fazer, guardava para fazer quando aparecesse alguém bacana. Não digo um namorado ou o amor da minha vida, mas sim uma pessoa especial. Alguém por quem eu me sentisse atraída, me sentisse bem e tivesse intimidade. Teria que ser alguém em quem eu confiasse.

Continue lendo…

 
25
Compartilhe esse post:

Imagino que a empolgação que vocês tem ao lerem sobre um novo affair meu, é a mesma que eu tenho quando tudo acontece. (Ou talvez um pouco menos né?) Mas é que eu nem acredito que ele realmente acontece, sempre acho incrível e é tudo novo e empolgante pra mim!

Cada vez mais, eu concordo plenamente com as pessoas que dizem que minha vida parece um seriado. Ou esse mundo é um ovo. Ou eu nasci pra ser a garota das coincidências. Porque gente, to passada com o que aconteceu hoje! Mas ok, vamos começar do começo.

Ano passado aconteceu algo inusitado. Eu até já tinha um post pron-ti-nho salvo aqui no WordPress pra postar ele quando eu fizesse a coisa andar mas daí acabei desencanando e ele ia ficar pra nunca mais. Pois bem, pra vocês verem que mesmo quando eu desisto de fazer acontecer, se é pra acontecer, VAI acontecer.

Um belo dia no Twitter, ao começar uma chuva torrencial no meio de um dia de muito calor, eu twitto a seguinte frase:

Daí recebo um replie de um cara que não me seguia e eu também não seguia ele, dizendo assim:

Continue lendo…

 
48
Compartilhe esse post:

Quando as pessoas vinham me dizer que minha vida parecia um seriado, eu pensava: “Até parece”….Mas gente, QUANDO eu ia imaginar que ia criar um blog, viver paixões platônicas e totalmente impossíveis mas que no final, SE TORNARIAM REALIDADE?

Juro que nunca imaginei, como já havia dito aqui, que a história do Flerte no Elevador daria certo e deu. A história do cara do Beijo na Faria Lima então, já tinha desistido faz tempo, mas parece que deus quer que minha vida dê certo. Como um amigo meu falou, talvez eu viva uma vida meio Show de Truman e não saiba.

Hoje, me deu uma descarga de energia e eu, em pleno resfriado e na terça feira, resolvi ir numa balada mega open bar gigante no Jockey Club, a convite de um amigo twitteiro que é dj. Era aniversário de uma ‘balada de playboy’ e seria uma big festa. Cheguei lá, peguei umas bebidinhas, e fiquei na minha (afinal, só tinham loiras peitudads e gostosas, eu era a única mais estranha da balada) e fiquei aproveitando do meu jeito. Eis que eu vejo, de longe, um cara que me lembrava o cara do beijo na Faria Lima. Pensei: “Nossa, essa balada é bem a cara dele, imagina eu encontro ele aqui?” hahaha Mas claro, nem era ele. Seria algo meio impossível de acontecer.

Continue lendo…

 
28
Compartilhe esse post:

Quis dar um tempo do outro post da placa torta pra escrever a continuação mas acabei procrastinando demais. Sorry people! hahaha

Uns dias depois, acho que no dia seguinte até [?] não me lembro ao certo, o Danilo respondeu meu bilhete :D Cheguei a noite em casa e o porteiro me deu, falando que ‘meu amigo’ tinha deixado lá. Fiquei toda feliz que tinha dado certo, foi ele mesmo que achou o bilhete com o nome dele na porta! Se alguma outra pessoa do prédio viu, leu…Não importa. O que importa é que chegou nas mãos dele, como eu queria.

(Aqui vai uma foto do bilhete. Vou colocar quando chegar em casa! Ele diz algo do tipo: “é que saí mais cedo da clínica e não sabia que horas você chegaria em casa. Pega meu telefone pra gente conversar e dar um jeito na placa: xxxx-xxxx, boa semana!) – Update: não tirei foto do bilhete, sorry.

Como podemos ver no bilhete, ele foi um fofo. Manteve a pose de cara simpático que quer ser legal. Não me xavecou, apesar de ter dado o telefone [o que soa como xaveco mas pode não ser]. Quis manter um contato maior. Eu adorei o bilhete, mas não liguei. Óbvio. Magina que coisa chata?

Continue lendo…

 
11
Compartilhe esse post:

Hoje acho que faz uma semana que conheci o Danilo, meu amigo da placa torta. Voltando da aula de teatro, achei que ia encontrar ele de novo [confesso que andei até mais devagar pra chegar em casa na esperança dele me alcançar] mas nada.

Quero muito me comunicar com ele! Pensei em deixar um bilhete se a janela dele estivesse apagada, pra ele ver quando chegasse em casa, mas quando abri a minha janela, vi que a dele já estava acesa, ou seja…Ele chegou antes de mim :(

Que sem graça né? Resolvi escrever o bilhete mesmo assim. Vai que ele vê amanhã de manhã? Pensei na hipótese também, dele ter uma namorada, que vai chegar daqui a pouco e assim que chegar na porta do prédio vai ver um bilhete escrito o nome do namorado dela – e claro que ela vai abrir pra ler – daí ela faz um escândalo perguntando quem é essa mequetrefe que escreveu um bilhetinho pra ele e deixou na porta! Ele pode dizer que não é o Danilo do bilhete. Pode dizer que tem outro Danilo no prédio.

Continue lendo…

 
19
Compartilhe esse post:

Estava eu, linda e loira voltando da minha aula de teatro, quando chego na esquina do meu prédio e vejo que a placa, escrito Rua Cayowaá, está totalmente torta como se um carro tivesse batido nela. Eu, num ato totalmente falho, tento empurrá-la com o braço pra desentortá-la mas claro, com essa minha força de leão, não consegui nem que a placa se mexesse um tiquinho.

Quando vejo, tem um carinha vindo bem atrás de mim, e penso: “Ok, ele deve estar me achando uma idiota toda magrelinha, pensando que vou conseguir desentortar essa placa né?!” E como quando eu fico com vergonha eu falo, resolvi chegar pra ele e fazer uma piada pra quebrar o gelo e ser menos ridícula:

- Até parece que eu ia conseguir desentortar a placa com esse meu tamanho todo né?

Continue lendo…

 
26
Compartilhe esse post:

A Brigadeiro Faria Lima [importante avenida de São Paulo, pra quem não sabe] é uma coisinha de deus né? Cada vez que a atravesso, me apaixono. É assim, uma paixão a cada farol. É o paraíso dos caras bonitos de terno e gravata que me matam do coração. Eles são cheirosos, bonitos, elegantes, trabalhadores…Ainda bem que eu trabalho na Rebouças e todo santo dia sou obrigada a atravessar essas ruas comerciais cheias de executivinhos.

Pois bem. É uma rotina. E nas rotinas, muitas vezes estão presentes as mesmas pessoas. Mesmos horários, mesmos trajetos…Enfim, esse bla bla bla todo da vida cotidiana. Já conheço muitos rostinhos que passam pelo mesmo caminho que eu e cruzam a minha vida todos os dias. Eles fazem parte dela.

Ontem, um amigo me chamou pruma festa meio vip, e lá eu avistei um rostinho conhecido. Sim, era ele! Um dos bonitos que atravessa a Faria Lima cruzando comigo e fazendo do meu dia um pouquinho mais feliz Festa vai, vodka vem..Já tinha reparado que ele sabia quem eu era. Assim que comentei com meu amigo sobre ele, ele também estava falando pros amigos dele sobre mim. Eba! Já que ele me reconheceu, era a brecha pra ir lá puxar assunto. Claro né, EU teria que ir falar com ele pq apesar de não estar acompanhado, todo homem é muito mole e com ele não foi diferente.

Continue lendo…

 
30
Compartilhe esse post:

Expo Casal

Era uma exposição de arte. Ela se chamava Helena e ele se chamava Victor. Os 2 não se conheciam, mas ambos gostavam de arte e estavam solteiros. Não que isso importasse; nenhum dos dois estava a procura de um par. Apenas estavam curtindo uma exposição de arte – assunto que os interessava muito – tomando um vinho e admirando a criatividade alheia. A exposição era composta por várias baias que formavam ambientes próprios. Cada ambiente condizia com um estilo artístico. Entrar em um era totalmente diferente de entrar em outro. E assim, cada um ia vivendo e interpretando a exposição da sua maneira.

Os curadores da exposição, como sendo muito bons curadores, souberam escolher a música certa para a hora certa. Sabe quando você está assistindo a uma exposição de arte, e na verdade nem entende nada, mas faz uma pose com a taça de vinho na mão, como se fosse o maior crítico artístico do mundo? Sim, esse era o clima…Mas na real, não era a realidade de Helena e Victor.

Os dois realmente gostavam de arte e estavam lá para admirar os trabalhos. Cruzar olhares, definitivamente não era o objetivo deles. Muito menos cruzar olhares e ter um interesse posterior. Mas, como sempre acontece com seres humanos normais, eles cruzaram olhares e realmente se repararam. Quem é aquela menina de cabelos curtos e morenos, magra e sensual totalmente despreocupada com a vida? E quem é esse cara culto e interessante, olhando as obras com a maior atenção do mundo? Sim. Os 2 estavam alí e pareciam pessoas muito interessantes.

Depois de se repararem, a exposição de arte perdeu totalmente o sentido. As obras não eram bonitas nem instigantes. Eram apenas quadros colados em baias toalmente sem sentido. A única coisa que importava era: pra onde foi aquel olhar? O que ele sugere, e pra onde está apontando? Será que me viu ou foi só impressão minha?

Claro. Tudo era muito sutil. Os dois disfarçavam absurdamente bem, mas ao mesmo tempo, sabiam exatamente o que estava rolando ali. O que? exposição de arte? Quero mesmo saber onde aquela pessoa está. Quero chegar perto dela, dizer alguma coisa bem culta e fingir que aquilo tudo está realmente fazendo o maior sentido e o que realmente importa é o conceito da obra. Quero que ela me admire.

Opa! Finalmente nos encontramos; um ao lado do outro, como se simplesmente o destino nos tivesse juntado. A vontade de dizer coisas idiotas estava lá, na verdade qualquer coisa que fosse dita seria idiota mas um dos dois teria que começar um assunto, já que se não começasem, seria uma oportunidade perdida pra sempre.

Então, ela pega e diz: “Bonita esta estampa que ele usou, né?” [referindo-se e olhando diretamente ao quadro bem em frente à eles]. Ele responde um simples “Sim”, olhando nos olhos dela, como se nunca tivessem se visto na antes…

Mas bem no instante em que se olham, os dois sabem que a conversa é apenas um pretexto para se aproximarem, e que qualquer prolongamento do assunto acabaria em algo totalmenter broxante. Então, assim que Helena diz: “bonita essa estampa” e Victor responde “sim” sem nem ouvir direito o que ela disse, os dois se beijam loucamente como se já se conhecessem e esperassem por esse momento a vida toda! Era a famosa química agindo, sem nem pedir licença!

O beijo dura por longos minutos, e é realmente bem quente e íntimo…Mas…

E depois do beijo? Como fica? Será que vale a pena dar uma risadinha? Continuar falando do quadro? Simplesmente virar as costas e continuar vendo a exposição?

Helena não quis me contar esta parte. Talvez por ser algo muito íntimo e pessoal. Então, eu deixo para a imaginação de cada um.

Eles podem ter continuado o beijo e caminhado para um lugar mais escondido, onde os desejos mais fortes os chamam e saciam-se alí mesmo, na escada de incêndio. Podem ter sido interrompidos por uma velha viúva, crítica de arte, que já chegou resmungando pois havia 2 pessoas ‘sendo felizes’ lá…Podem ter acabado o beijo, cuspido no chão com um ar de nojo e terem ido embora ou podem simplesmente ter terminado o beijo, dito: “eu te amo” e marcado a data do casamento. Você escolhe o final da história.

 
15
Compartilhe esse post: