Sabe o que você deveria fazer? Parar de reclamar que a sua vida é sem graça. Se você não permitir que novas situações aconteçam para deixar seus dias mais interessantes, sua vida vai continuar sendo chata e monótona como sempre. Mas calma, isso não é uma bronca. É só uma coisa que eu penso e sei, por experiência própria, que a gente pode mudar.

Esses dias estava subindo as escadas da estação Canada Water, que fica perto da minha casa aqui em Londres, quando vi um post-it no chão com algo escrito. Muitos de vocês sabem que adoro bilhetes e saber um pouquinho mais da vida de estranhos sempre me fascinou, então pegar bilhetes que vejo no chão é uma das minhas especialidades. Mas acho que as pessoas aqui em Londres não escrevem muito bilhetes porque vejo muito lixo nas ruas e estações de metrô, mas bilhetes que é bom, NADA. Então, não perdi a oportunidade e logo peguei aquele papelzinho amarelo dobrado e sujo que foi esquecido ou jogado nos degraus daquela fria escada de metrô.

Quando li o bilhete, por um momento achei que estava no Brasil. Podia me imaginar lendo o bilhete na escada do metrô Vila Madalena, que é o mais perto da minha casa em São Paulo. Mas OPA! Eu estou em Londres! Como assim o bilhete está escrito em português?

Pois é meus amigos… Em 3 meses morando em Londres, o primeiro bilhete que eu pego no chão é uma listinha de supermercado escrita em português. Dá pra acreditar? Isso mudou totalmente meu dia. Comecei a pensar sobre os acasos da vida, destino, estrangeiros, estudantes fazendo intercâmbio… E então imaginei a menina que tinha escrito aquela delicada listinha. Será que ela tinha acabado de chegar em Londres, por isso precisava comprar roupas de frio, aparelho de ginástica e pijama? Será que ela estava de regime ou seria simplesmente uma apreciadora de vegetais? Acho que ela é estudante. Mas não consigo imaginar o que exatamente ela está estudando.

De certa forma me identifiquei com a menina do bilhete e senti vontade de conhecê-la pessoalmente, já que a gente falava a mesma língua e ela teria muitas coisas legais para compartilhar comigo sobre a viagem. A melhor parte é que a gente poderia ir uma na casa da outra sem ter que pegar metrô, pois provavelmente ela morava no mesmo bairro que eu e fazia compras no mesmo supermercado. Inclusive, a gente poderia marcar encontros para fazer as compras do mês juntas! E quando ela estivesse doente eu poderia pegar a listinha dela e fazer as compras pra ela, já que nos tornaríamos melhores amigas para toda a vida.

 

 
41
Compartilhe esse post:

Sei que algumas pessoas não se interessam muito em ler posts sobre a felicidade alheia (talvez por isso as pessoas gostem tanto de me ler, já que muitos dos meus posts são sobre coração partido e relacionamentos que não deram certo), mas agora que estou vivendo esse momento tão gostoso, sinto a necessidade de escrever para contar pro mundo e também para registrar esses momentos que tenho vivido, já que daqui a alguns anos, ler meus posts antigos vai ser como ler um diário de quando eu era criança.

Aqui em Londres, em termos de relacionamento, tudo aconteceu muito rápido. Em meu último post sobre o Maikel, contei que ele era a minha primeira paixonite em Londres. O fato é que a coisa evoluiu e agora estamos num relacionamento sério, fazendo planos para o futuro sobre morarmos juntos na Holanda ou ele passar um tempo comigo no Brasil. Pois é! Em menos de 2 meses que nos conhecemos, já estamos morando juntos e mega apaixonados. Aliás, anteontem (dia 03/10/11) foi o dia em que ele falou “eu te amo” pela primeira vez. Tudo bem que ele falou isso de manhã cedo meio sonadinho, mas quando ouvi “I love you” saindo da boca dele, quase chorei. Tem noção de há quanto tempo eu não ouvia um eu te amo sincero vindo de um cara que eu gosto?

Se eu ouvisse essa história da boca de outra pessoa, ia desacreditar e falar: “Aff, você ta viajando, a vida não é tão linda assim!”. Mas dessa vez o conto de fadas é meu e eu tenho certeza de que posso acreditar nele. E sinceramente? Acho que mereço depois desses longos 3 anos tomando patadas e tapas na cara para aprender como é se relacionar com pessoas que não querem a mesma coisa que a gente. Hoje li uma frase no blog do Casal Sem Vergonha que é perfeita para a minha situação: “Ser solteira é bom pois você pode testar vários tipos de relação antes de escolher qual quer pra sua vida.”. Acho que depois de muito testar, eu descobri o meu modelo de relação perfeito mas nem sabia que tinha descoberto até começar a viver ele.

Sempre acreditei que casais precisavam ser parecidos. Sabe quando você ouve coisas do tipo “vocês foram feitos um para o outro” ou “você é seu namorado de saias e ele é você de calças”… Eu costumada ouvir isso quando tive meu primeiro namorado, e a gente se dava muito bem por ter gostos parecidos e querer as mesmas coisas pra vida. Mas o Maikel é MUITO diferente de mim. Pelo menos em relação a gostos musicais, interesses pessoais e hobbies. Ele é o típico namorado que não entende muito as questões mais sensíveis do mundo, que quando vê um filme com uma ideia incrível por trás só consegue dizer: “Odeio esses filmes que não tem final.”. Ele gosta de carros e adora música eletrônica daquelas irritantes que não da para ouvir por mais de 3 minutos. As roupas que ele usa são totalmente diferentes das roupas que meus olhos costumam seguir na rua. Ele não entende arte, não liga para redes sociais e não é a melhor pessoa para escrever um texto ou uma carta de um jeito bacana.

Mas em compensação, ele usa perfumes deliciosos. Eu nunca gostei de dormir abraçadinho mas o nosso corpo tem um imã a noite e a gente se encaixa perfeitamente um no outro. Ele me manda SMS’s fofos todos os dias, sem dizer nada importante, apenas para lembrar que gosta de mim. É super organizado, gosta da casa limpa e não tem preguiça de lavar a louça. Ele é daqueles que combina e faz. Temos as mesmas convicções para a vida como ter um trabalho, ser responsável para ganhar dinheiro e um dia construír uma família. Ele prefere cachorros a gatos e está tentando emagrecer para ficar mais bonito pra mim. E ah! Ele tem uma caixa de ferramentas enorme. É o tipo de cara que arruma tudo que quebrar em casa. Entende de mecânica e eletricidade, então eu não preciso me preocupar em trocar lâmpadas ou consertar liquidificador quebrado.

A gente simplesmente se completa. E eu to realmente muito feliz como há muito tempo não ficava. A minha ideia em vir para Londres era curtir, pegar vários caras aqui e conhecer muitas “novas línguas” se é que vocês me entendem. Mas daí eu conheci o Maikel de um jeito mega engraçado e agora a gente ta aqui, fazendo planos para o futuro e vivendo uma vida de casados. Sabe qual é a melhor parte? A gente conversa muito e é muito seguro um com o outro. Então se um dia saírmos sozinhos e pintar aquela vontade de beijar outra pessoa na balada, não tem problema, a gente vai lá e beija. Isso dá uma apimentadinha na relação e é super saudável, já que a gente confia um no outro e não tem segredos. Esse era o tipo de relacionamento que eu sempre sonhei e nem sabia que queria. Estou vivendo ele agora e espero que o sonho não acabe tão cedo.

Relacionamento aberto

O que você acha desse lance? Já fez, deu certo, deu merda? Não acredita e acha melhor nem tentar? Eu queria muito saber a opinião dos meus leitores quanto a isso. Não estou defendendo nada, mesmo porque eu acho que um relacionamento aberto só pode acontecer quando as duas pessoas querem e não é simples de gerenciar. Nunca tinha me sentido segura para fazer, até conhecer o Maikel. Me contem suas experiências ou opiniões!

 
31
Compartilhe esse post:

Antes de vir pra cá passei dias e dias imaginando como seria o primeiro cara por quem eu ia me apaixonar aqui em Londres. Imaginei vários tipos de caras, estilos, cor do cabelo ou gosto musical. Montei perfis na minha cabeça tipo um cara nerdinho moderno que adora Blur, tem um iPhone e usa um tênis fofo. Ou um daqueles mais bonitões que trabalham em uma empresa e são obrigados a usar terno todo dia, mas sabem exatamente o jeito certo de usar um terno, entende? Ou quem sabe um mais alternativo que me levaria pra todas as melhores baladas de eletro rock da cidade.

Óbvio que a minha primeira paixonite foi totalmente o oposto de tudo isso que eu pensei. Ele não é de Londres. Ele não tem olho claro, ele não conhece as minhas bandas favoritas e nunca ouviu falar em “Two and a Half Man” (não que eu goste da série mas COMO ASSIM ALGUÉM NO MUNDO NUNCA OUVIU FALAR DE TWO AND A HALF MEN?). Anyway…. Minha primeira paixonite em Londres gosta de música eletrônica, é admirador de carros (coisa que eu nunca nem reparo) e sabe o que ele faz da vida? É “hairdresser”! Hahahaha sério! Ele é cabelereiro. E eu garanto: não é nem um pouco gay. É engraçado porque se ele fosse do Brasil, seria impossível traçar o perfil dele e dizer que ele é cabelereiro. Mas ele tem grana, é heterossexual e diria até que faz o estilo mais “mauricinho” de ser.

O nome dele é Maikel. E eu já contei como conheci ele aqui no blog. Sim!!! Ele é o holandês da pornografia!!! hahahaha (quem não entendeu tem que ler o outro post antes de continuar esse, ok?)

A história toda da pornografia acabou sendo boa. Ele viu que sexo não era tabu pra mim e agiu super naturalmente, até fizemos piada depois. Um dia ele foi bater no meu quarto e quando eu abri a porta pra ele entrar, ele falou: “Você não ta vendo pornografia agora, né? Tem certeza que posso entrar?” hahahaha. Desde que a gente se conheceu, não nos desgrudamos mais. Ele é super legal e eu estava precisando de um amigo que falasse inglês preu poder treinar o meu e ter uma companhia pra fazer tudo que eu andava fazendo sozinha.

Como eu não sabia como funcionava essa coisa de pegar caras gringos, resolvi ser “a mulher da relação” e não tomar nenhuma atitude. O que eu queria mesmo era ver o jeito que ele ia chegar, como seria a abordagem e quanto tempo ela demoraria. Mas nossa… HAJA PACIÊNCIA! Demorou muito… A gente se via todo dia, nem que fosse só um pouquinho, mas nunca rolava nada. Fomos numa balada juntos, voltamos meio bêbados de mãos dadas, um dormindo no ombro do outro no ônibus… Mas beijo… Nécas. Um dia ele me chamou pra ver filme no quarto dele e eu pensei: “Opa, é hoje que a jiripoca vai piar!” mas… Acredita que a gente viu o filme inteiro debaixo das cobertas e só demos umas encostadinhas de corpo disfarçadas? Sabe quando você arranja desculpa pra encostar sutilmente na pessoa? Bom… O filme acabou, eu fui dormir e beijo… Nécas! Já não aguentava mais. Não sabia o que fazer. Ficava chorando no Twitter e pedindo dicas pra galera e alguém me disse que com os gringos funcionava assim: eles tem que ter CERTEZA que a outra pessoa também quer. E quando tentarem, a outra pessoa não pode fazer doce porque pra eles é vai ou não vai. Eles não iam ficar correndo atrás de mim depois. Então eu pensei: “Bom, legal. Vou continuar esperando…”. Confesso que até tava sendo gostoso esperar, sentir aquele frio na barriga sempre que ia chegando o fim do dia e eu sabia que ele ia bater na porta do meu quarto.

Ontem ele veio aqui e resolvemos sair. Já estava meio tarde então só jantamos e deu tempo de tomar 1 pint de cerveja (que aqui são aqueles copões grandes, uma delícia). Daí voltamos pra casa de metrô e… Já tinha rolado umas encostadas de corpo involuntárias porque o metrô tava cheio e tal. Então uma hora estávamos numa esteira rolante, parados com ela andando bem devagar… E só estávamos parados porque queriamos ficar lá por mais tempo, sabe? Encostamos o corpo meio que dando um abraço sem os braços. E eu sentia que a hora do beijo estava cada vez mais perto. Dava pra sentir arrepios porque a gente tava meio que se cheirando e se encostando e… PLOFT: quebrei minha promessa. Tomei a iniciativa e dei um beijo nele! :(

Não foi ruim, foi bem legal. Mas eu não devia ter feito, devia ter esperado. Poxa, pra quem já tinha esperado alguns dias, eu deveria ter aguentado mais. Mas enfim… Foi! E dai a gente se abriu um pro outro, eu disse que tava esperando aquele beijo há anos mas ele nunca dava… Daí ele me contou que, pelo menos ele, gosta de ter certeza que a outra pessoa quer também. E que ele tava sempre atrás de mim porque tava afim e tal mas só tinha tido a “certezeza” naquela noite. Gente??? Filme juntos, carinhos, mensagens fofas no Facebook… O que é deixar claro pra ele?

Chegamos em casa e ele acabou dormindo no meu quarto. Não poderia ter feito escolha melhor, já que minhas visitas só podem ficar no meu quarto até as 23h, mas ele MORA no meu prédio, então é sussa. Nem rolou nada de sexo e tal mas foi super gostoso, a gente encaixou legal. Ele tem mãos ótimas. Hahaha não pensem besteira, mas é sério. Ele sabe fazer carinho, mexe no cabelo do jeito perfeito e faz uma massagem de-li-ci-o-sa. É raro encontrar homens com tanta noção de carinho assim. Pena que ele só fica aqui até o final de setembro, então tenho que aproveitá-lo bastante até lá!

Pra quem tem me pedido posts sobre a viagem, aqui as coisas estão demorando pra acontecer pois as pessoas são muito fechadas e meu inglês ainda não tá tão bom… Daí fica difícil puxar papo. Fora que nas baladas, que é onde dá pra conhecer gente, as pessoas bebem TANTO que quase nem dá pra conversar. Daí junta a bebedeira com a música alta e meu inglês ruim… BLAU BLAU. Mas continuem acompanhando que só tende a melhorar ;D

 
18
Compartilhe esse post:

Hoje minha lâmpada queimou, e eu resolvi descer na recepção para ver se pegava outra. Chegando lá, a porta estava fechada e tinha um cara esperando. Ele perguntou meu nome e de onde eu era, e disse que se chamava Maikel. Pelo que eu entendi, ele era alemão, mas agora estou em dúvida se ele disse que era da Holanda. Enfim… Ficamos conversando um tanto, ele me disse que cortava cabelos e se eu quisesse ele podia raspar o meu de graça – pra quem não sabe eu tenho uma parte do cabelo raspada, meio que por baixo – e eu achei ele super fofo. Ele estava esperando parar de chover para sair pra correr. Quando a chuva parou, ele perguntou meu apartamento já que eu disse que ainda não tinha amigos e precisava de companhias pra sair, então ele ia passar aqui depois.

Mais tarde, tava aqui numa boa no quarto, tomei um banho, fiquei um pouquinho no computador e resolvi dar uma deitada. Depois de uma meia hora, alguém bateu na minha porta. Eu falei para esperar, coloquei uma roupa (porque tava pelada) e abri a porta. Era ele! Tinha até esquecido que ele disse que vinha. Dai ele entrou, tava meio bagunçado o quarto e isso foi meio chato, mas né, fazer o que. Ele estava super arrumado e cheiroso, acho que ia sair. Então eu falei que ia adicionar ele no facebook já que ainda não tinha telefone aqui, assim ficava mais fácil da gente se comunicar. Quando mexi no mouse para ligar a tela do meu notebook: PLOOOOOFT! Abriu uma foto ERRADA bem na hora. (clique aqui para ver a foto mas não abra no trabalho!) Hahaha… Na real eu estava mesmo vendo o tumblr da @camilinha69 e deixei aberto nele quando resolvi deitar. Imagina a minha cara? Não tinha muito o que fazer, então soltei a primeira coisa que me veio a cabeça:

“Sorry, I was watching some pornography…”

Ele deu uma risadinha sem graça, eu falei pra ele olhar pra outro lado assim eu podia fechar a foto e abrir o facebook. Ele riu. Eu fechei. Abri o facebook e falei pra ele se achar lá. Enquanto ele digitava o nome dele eu estava quase morrendo de tanta vergonha e com o coração pulando… Gente… Que mico!

Depois continuamos conversando, começou a chover de novo então ele não podia ir no mercado, daí resolveu ficar aqui. Às vezes acabava o assunto e o quarto é pequeno e eu não sabia muito o que fazer. Fiquei muuuuito sem graça, mas acho que ele não percebeu.

Agora sério… O que vocês acham que passou pela cabeça dele? Falem a verdade. hahaha

Ps. clique aqui para ler no que deu essa história.

 
15
Compartilhe esse post: